sábado, 6 de junho de 2020

GUERRAS ANGOLANAS E CADORNEGA

Nesta quarentena da COVID-19 ocupei-me com a leitura de um livro do século XVII. É uma obra rara, com duas edições em português, uma de 1940 outra de 1972: HISTÓRIA GERAL DAS GUERRAS ANGOLANAS: CADORNEGA, Antônio de Oliveira de. História Geral das Guerras Angolanas – 1680 – Tomo I; Lisboa, Agência-Geral do Ultramar, Lisboa, 1972. Reprodução fac-similada da edição de 1940. Li os três volumes e estou fazendo um fichamento. Não é um resumo, mas anotações de coisas que achei interessantes. O livro foi escrito por volta de 1670 e narra fatos envolvendo portugueses e os habitantes da África ocidental subsaariana. São narrados os diversos conflitos dos portugueses com os nativos, o comércio de escravos, de marfim, de gatos de algalia etc. Também é noticiada a invasão dos holandeses e no segundo volume é narrada a reconquista de Luanda. No primeiro volume há muitas narrativas a respeito da Rainha Ginga/Nzinga Mbandi/Jinga, que liderou a luta contra portugueses no período narrado no livro. Os objetivos declarados da invasão da África Ocidental, que CADORNEGA chama de Etiópia Ocidental, era a doutrinação católica. Mas o que se fazia era o comércio de escravos (chamados "peças") e de marfim. Parece-me que a palavra "peça" era usada para escravo enquanto em comércio, que depois de comprado, passava a ser chamado escravo. A origem da palavra escravo, já disse em outra postagem, é da palavra eslavo e data do ano 800. A íntegra do fichamento do primeiro volume de HGGA pode ser acessada aqui.